Não costumo ler romances de fantasia, mas fico feliz por ter aberto uma exceção aqui; Eu amei a história. Um druida vive no Arizona, fingindo ter vinte e um anos, quando na verdade tem vinte e um séculos. Ele é ameaçado por bruxas e assistido por lobisomens, os quais também aparecem, na superfície, como pessoas normais. Ele conhece criaturas de outro mundo que o ajudam em sua luta contra o malvado deus celta.

Eu sempre quero mais do que apenas uma boa história, no entanto. A conexão do Druida com a terra e o uso de energia fornecem isso. O Druida extrai sua energia da terra, um lembrete de nossa separação da natureza neste mundo tecnológico. Vemos a importância de entender o uso da energia em suas ações e como perdemos a conexão com nosso ambiente e nossos corpos. O autor está sutilmente nos ensinando. Eu gosto disso.

A violência, que é tão prevalente em muitas histórias, e em nosso mundo, é mais aceitável aqui, pois é direcionada apenas para defender o bem, uma distinção importante. Eu gosto do Druida. Ele é um cara legal e o leitor começa a se importar com ele, rindo de seu senso de humor e apreciando sua humildade. Apesar de suas habilidades de mudar de forma e atrair uma enorme energia da terra, ele nunca é arrogante ou seguro de si, uma pausa refrescante de muitos personagens, tanto fictícios quanto reais.

Eu procuro ser atraído de volta ao mundo excitante, louco, moral e engraçado deste Druida em seus próximos dois livros da série.



Source by Cheryl A. Chatfield, Ph.D.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.